Paranoia

A paranoia é um termo utilizado por profissionais da saúde mental para descrever um estado

de desconfiança exagerada e injustificada. Isso significa que estar desconfiado não quer dizer

que significa estar paranoide, principalmente se a desconfiança está baseada em experiências

passadas ou se este comportamento está baseado no comportamento alheio.

As paranoias são classificadas de maneira que difere as paranoias delirantes, não delirantes e

persecutórios. Pessoas com paranoia estão sempre muito desconfiadas, pois não conseguem

se libertar de seus temores e, em consequência disto, estão sempre muito alertas, podendo

apresentar um quadro de hipersensibilidade, ou seja, elas podem se ofender facilmente, ou

sempre tomam uma atitude hostil ou defensiva.

As pessoas acometidas pela paranoia são pessoas tidas como difíceis de lidar, por terem

dificuldade em manter um vínculo com alguém, raramente procuram ajuda médica ou

psicológica, pois creem que o mal está sendo feito a elas, e não levam em consideração que

este mal estar todo seja um produto de uma doença que acometeu elas.

As causas conhecidas para este distúrbio mental são, principalmente, ambientais e fatores

bioquímicos, ou seja, altos níveis de estresse, uso ou abuso de drogas (estimulantes e

maconha) associadas a uma fragilidade genética. O tratamento de uma pessoa acometida com

a Paranoia é muito complicado, pois por conta de exacerbada e defensiva desconfiança o

individuo tende a não procurar por ajuda profissional mesmo se sua vida social e profissional

esteja em risco.

Quando a pessoa acometida vai ao tratamento, ela enfrenta muitas resistências, como por

exemplo, não tomar o remédio por não confiar no médico que lhe prescreveu o sintoma.

Porém, enquanto o tratamento medicamentoso não alivia os sintomas da Paranoia.

Entretanto, é relatado que dada a oportunidade do paciente expressar seus temores de

regularmente – como é propiciado na psicoterapia individual – ajuda o paciente a sair deste

isolamento social e profissional que os sintomas criaram.

Apesar das dificuldades de tratamento enfrentadas pelo paciente com este distúrbio, se o

tratamento é seguido este pode ser extremamente eficiente.