Depressão

Atualmente há uma grande frequência de quadros depressivos; chegando a acometer cerca de dois milhões de pessoas por ano somente no Brasil. Muito se fala, escreve e estuda sobre este assunto, é um transtorno dos afetos que interfere em diversas funções do sistema nervoso central, destacando-se o humor, o ânimo e até mesmo o pensamento.

Às vezes nos sentimos tristes ou desanimados em decorrência de algum fato na nossa vida, mas quando a tristeza é persistente e está associada a dificuldade de sentir prazer então podemos pensar em uma “doença depressiva” que, comumente, é acompanhada de choro fácil, irritabilidade, sentimento de culpa persistente, distúrbios do sono e alimentares.

Pessoas com sintomas descritos acima necessitam de avaliação médica psiquiátrica e psicológica especializada, pois a doença depressiva trás, com frequência, prejuízos nas relações interpessoais e na atividade profissional. As vezes pode acontecer do paciente evoluir com idéias constantes de morte que se torna uma urgência médica.

Fatores genéticos, associação com outras doenças crônicas, situações consideradas traumáticas e estresse são algumas das principais causas desta doença que independe de condição social, econômica, sexo ou idade do indivíduo. A depressão é comumente associada a uma consequência de períodos difíceis em um momento na vida, como a morte de alguém querido, ou términos de relacionamento até mesmo perda de emprego.

O tratamento da depressão depende de seu grau de profundidade e tipo, ou seja, existem níveis da doença e diferenças dela, por exemplo; depressão leve até a um quadro depressivo mais agravado. O tratamento envolve desde atividades não medicamentosas até tratamento psiquiátrico e psicológico (psicoterapia), depende de cada paciente qual ou quais tratamentos são eficazes.

Muitos pacientes tem receio em tomar remédios antidepressivos por medo de desenvolver dependência ou até mesmo uma nova doença psiquiátrica, mas isto não corresponde a realidade quando o paciente faz um acompanhamento apropriado onde o médico e o psicólogo, junto com o paciente, acompanham de perto a evolução clínica.

Deste modo, se você ao ler o texto acima e se identificou em algum momento com ele recomendamos que nos procure para uma avaliação médica e psicológica.